Uma troca na bancada do PT será efetuada nesta semana na Assembleia Legislativa.

Nesta terça-feira, 15, sai de licença do mandato, para tratamento de saúde, o deputado estadual Zé Inácio (PT). No lugar dele, assume o jornalista Luiz Henrique.

A troca já havia sido anunciada pelos petistas ao governador Flávio Dino (PCdoB) na semana passada, em reunião no Palácio dos Leões.

Luiz Henrique, ou Henrique do PT, já foi secretário adjunto de Cidades durante a gestão do governador Jackson Lago, presidente da Associação Brasileira de Rádios Comunitárias no Maranhão (Abraço-MA) e gestor substituto da Delegacia de Desenvolvimento Agrário do Maranhão durante o governo do presidente Luís Inácio Lula da Silva.

 

Está em tramitação na Câmara Municipal de São Luís, o  Projeto de Lei 143/2021,  de autoria do vereador Dr. Gutemberg (PSC), que dispõe sobre a afixação de cartazes nos condomínios, residenciais, comerciais, conjuntos habitacionais, associações de moradores e outras organizações, com informações sobre o atendimento às mulheres em situação de violência durante o período de isolamento social.

Segundo o autor da proposta, o objetivo é facilitar, incentivar e sensibilizar a sociedade a fazer denúncias e ajudar a mulher a buscar socorro, principalmente nesse momento de isolamento social, quando a vítima, muitas vezes, fica refém do agressor.

“É fundamental a colocação de cartazes em elevadores e outros locais de fácil visibilidade, onde há grande circulação de pessoas cotidianamente, isso chamaria a atenção e alertaria as pessoas para um tema tão importante, além de estimular as denúncias”, declarou o parlamentar.

Conforme o texto, os cartazes instalados devem conter os telefones 180, da Central de Atendimento à Mulher, e 190, da Polícia Militar. Em outra parte do texto, informa que a Casa da Mulher Brasileira está atendendo casos de violência contra a mulher no telefone (98) 3198-0100.

De acordo com a proposição, o descumprimento da legislação acarretará advertência, com notificação dos responsáveis para a regularização no prazo máximo de trinta dias e multa no valor correspondente a no valor de 100 UFIR (Unidade Fiscal de Referência de São Luís) para o condomínio.

Além disso, a norma estabelece também que os valores arrecadados através das multas em decorrência do descumprimento, serão aplicados em programas e campanhas estaduais de prevenção à violência contra a mulher.
“Este projeto de lei contribui no combate à violência contra a mulher em um dos ambientes onde esse tipo de crime mais acontece, advertindo os agressores e incentivando as vítimas a denunciarem agressões”, completou o parlamentar.

Números da violência

O isolamento social provocou o aumento da violência doméstica. De acordo com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, houve crescimento de 22,2% no número de feminicídios entre março e abril de 2020 em comparação com o ano de 2019.

Segundo o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, no ano passado foram registradas 105.821 denúncias de violência contra a mulher nas plataformas do Ligue 180 e do Disque 100.

“Os índices são altos, mas infelizmente sabemos que o número é ainda maior, o medo, a opressão, a vergonha, a dependência entre outros fatores que faz com que a mulher não denuncie”, concluiu Gutemberg ao justificar a proposição.

 

O deputado estadual Yglésio Moyses (Pros) deve protocolar na tarde desta segunda-feira, 14, na Justiça Estadual, uma ação pedindo a revacinação, no Maranhão, de todos os idosos que tomaram CoronaVac.

Desde a semana passada, o parlamentar tem criticado a eficácia do imunizante chinês, apontando aumento do número de óbitos entre pessoas com mais de 70 anos, mesmo após a aplicação de duas doses (saiba mais).

Na ação, ele também pede a revacinação de profissionais de saúde com mais de 60 anos que receberam doses da vacina chinesa.

Além disso, Yglesio enviou representações ao Ministério Público do Maranhão (MPMA), à Defensoria Pública do Estado do Maranhão (DPE-MA) e à Defensoria Pública da União (DPU).

 

Mesmo após oito anos de gestão de Edivaldo Júnior – período em que o problema foi mostrado ano após ano – comunidade na região central de São Luís segue alagada com as chuvas, sem solução à vista para um problema simples de resolver. 

 

Basta alguns minutos de chuva para as ruas do Coroado ficarem assim; basta alguns poucos milhares de recursos para o problema ser resolvido. 

blog Marco  Aurélio D’Eça passou os oito anos de mandato do ex-prefeito  Edivaldo Júnior cobrando do seu setor de obras uma solução para o alagamento do bairro do Coroado. (Relembre aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, mais aqui e também aqui)

Todo ano o prefeito e sua equipe prometiam soluções que nunca chegaram; e a comunidade segue alagada, como mostra o vídeo gravado por moradores, após as chuvas da tarde de sexta-feira, 11.

Como se vê nos links acima, o problema se arrasta desde a gestão de João Castelo, quando se iniciou o derrame de dinheiro no canal; e chega a 2021, em plena gestão de Eduardo Braide (Podemos)

Curiosamente, o Governo do Estado entregou ontem uma quadra com pracinha reformada à comunidade. A inauguração se deu horas depois da enchente nas ruas, sequer tratada pelos representantes do governo.


Jovens comentam a cheia das ruas após as chuvas da tarde de sexta-feira, 11/6; mais uma vez assim…

A solução o alagamento da parte mais baixa do Coroado – já mostrada aqui neste blog – é tão simples que fica até ridículo: basta a desapropriação de um dos imóveis construídos irregularmente na avenida Carlos Macieira, às margens do Igarapé que corta o bairro.

Com a desobstrução, a água da chuva encontra passagem direta para o igarapé e para o pântano que compõe as matas do 24º Batalhão de Caçadores.

A esperança da solução se volta agora ao prefeito Eduardo Braide.

Que precisa fazer uma visita à comunidade…

 


Tenho escrito muitas vezes que a Covid-19 mexeu em tudo e não sabemos ainda até que ponto chegará. Provocou de maneira mais dramática a saúde, com uma crise sanitária que pegou todos os países de surpresa, mostrando que raros tinham estrutura para enfrentar os problemas que surgiram. Gerou em seguida uma crise econômica que provocou a quebra das pequenas empresas, com repercussões na organização da vida nas cidades, no transporte, nos empregos, com todos os dramas familiares que se pode imaginar, a cujas lágrimas é difícil ter coração para resistir.

Suas dificuldades começaram no desconhecimento do vírus que provoca a Covid-19 e na busca de uma denominação para ele. Começou com uma conotação política, o exótico Trump acusando outro país, seu competidor, de ter artificialmente criado o vírus para destruir os EUA. A imprensa logo deixou de usar o designativo topográfico do vírus e o chamou de Coronavírus — a cuja família pertence —, seguindo-se o apelido de Corona, tecnicamente 2019-nCov, HCoV-19 ou hCoV-19 e logo vírus SARS-Cov-2, que gerou variantes, designadas por várias linhas de nomenclatura — 19A, 19B, 20A, 20B, 20C, ou L, O, V, S, G, GH, GR. As linhagens mais perigosas passaram a ter vários números: a B.1.1.7 da Inglaterra, a B.1.35 da África do Sul, a P.1 do Amazonas. Como nem os médicos sabiam ao certo denominá-las, fizeram a OMS recorrer às letras gregas. Desta maneira a nossa — infelizmente — variante do Amazonas é Gama; a sul-africana, Beta; a inglesa, Alpha; e as indianas, Delta e Capa. E quando acabar o alfabeto grego naturalmente irão ao alfabeto aramaico, começando por YUDH, a menor de todas as letras, invocada por Cristo, citado por São Mateus, quando disse que passarão o Céu e a Terra e não passará um YUDH da lei, afirmando que não veio para aboli-la, mas para levá-la à perfeição.

Agora surge um estudo da Fundação Lemann dizendo que o Brasil é o 2º país do mundo onde as escolas mais fecharam — 260 dias — e como consequência os alunos perderam a oportunidade de adquirir mais conhecimento. Logo a educação, o maior problema do Brasil e mais difícil de ser solucionado, porque, a meu ver, iniciou no caminho errado. Em meados do século passado, os países asiáticos optaram por primeiro investir na educação e, a partir daí, acelerar o processo de desenvolvimento, dispondo de recursos humanos capazes, com inovação, tecnologia e ciência, e crescer. Foram os modelos japonês, chinês e finlandês que transformaram os Tigres asiáticos — Coréia, Hong Kong, Singapura e Taiwan — em potências econômicas. Já o Brasil quis primeiro crescer e depois educar, embora desde Platão e Confúcio se soubesse que o caminho para uma sociedade justa é a educação. Educar primeiro, ciência, inovação, tecnologia e formação de recursos humanos.

Assim, verificamos que o Coronavírus mexeu com tudo, e o Brasil foi um grande atingido.

Já escrevi que primeiro tínhamos de vacinar os professores. Sem vacinação, quando houvesse aulas, eles, se atingidos pela doença, a transmitiriam aos alunos, estes aos pais e a todos da família.

Tenho um exemplo em casa. A professora se infectou, passou a nove alunos, entre eles dois bisnetos meus; estes passaram ao meu neto e este, à esposa. Nos custou um mês de preocupação e noites maldormidas.

Vamos nos cuidar. Máscara, vacina, nada de festas. E esperar que Deus não nos deixe nem um YUDS dessa horrorosa medusa

 

O prefeito de São Luis, Eduardo Braide (Podemos), anunciou neste sábado, 12, a abertura do cadastro de vacinação contra Covid-19 para um novo público: agora, já pode acessar a plataforma “Vacina São Luís” qualquer pessoas acima de 18 anos.

Até agora, a capital maranhense já aplicou pelo menos uma dose de imunizante em 60% da população acima dessa idade (saiba mais).

A meta é vacinar toda a população adulta da cidade até agosto.

Fonte: Jornalista Gilberto Léda.

Morreu neste sábado o radialista Rubinho Jonnes, da rádio Mirante FM.

Ele tinha 57 anos e foi mais uma vítima da Covid-19.

Jonnes estava internado há mais de uma semana em São Luís. Logo após a internação, foi entubado.

Antes de ser hospitalizado, ele seguia comandando o “Na Hora do Rush”, programa de maior audiência do rádio ludovicense nos fins de tarde.

À família e aos amigos, nossos sinceros sentimentos!

 

O prefeito de São Luís, Eduardo Braide, segue incansável na luta por imunizar toda a população adulta da capital maranhense. Neste sábado (12), o prefeito anunciou um novo calendário de vacinação.

O novo calendário alcança pessoas que moram na capital e que estejam cadastradas na faixa etária de 24 a 29 anos. Lembrando que no período da manhã serão as pessoas nascidas entre os meses de janeiro e junho, enquanto que na parte da tarde os nascidos entre julho e dezembro.

Braide ainda anunciou a liberação para o cadastro na plataforma de vacinação para toda a população adulta da capital, já que a partir de hoje todos os ludovicences a partir de 18 anos podem se cadastrar, pois essa faixa etária deve se vacinar na semana que vem. 

“Se tu tem 18 anos ou mais tá na hora é de fazer teu nome! O cadastro pra vacinar já tá liberado! Não demora, te cadastra e fica ligado no calendário: tua vacina já é semana que vem! Bota fé?”, anunciou na linguagem jovial o prefeito da capital.

E é desta forma, acelerando a imunização em São Luís, que a gestão de Eduardo Braide vai conseguir com que a capital maranhense seja uma das primeiras a imunizar toda a população adulta.

É aguardar e conferir, afinal São Luís já tem sido destaque nacional na vacinação.

 

A Câmara Municipal de São Luís convocou nesta quinta-feira, 10, 31 candidatos aprovados no primeiro concurso realizado pela Casa Legislativa, para provimento de cargos administrativos.

Entre os cargos convocados nesta chamada estão: Historiador (1), Assistente Social (1), Administrador (1), Jornalista (1), Analista de Informática – Legislativo (2), Analista Legislativo (3), Técnico em Comunicação Social – Repórter Fotográfico (1), Técnico em Comunicação Social – Divulgação Institucional (1), Técnico em Informática (2), Técnico em Assessoramento Legislativo (7), Assistente Administrativo (10) e Procurador (1).

Os candidatos deverão comparecer primeiro à Perícia Médica do Município, entre os dias 29 de junho e 02 de julho, conforme especificado no edital, e, posteriormente, entre os dias 30 de junho e 05 de julho, ao o Setor de Recursos Humanos da Câmara, portando toda a documentação exigida pelo mesmo.

O certame foi realizado em 2019 e tem validade de dois anos, segundo o edital, podendo ser prorrogado por igual período. Esta é a quarta lista de convocação divulgada pela Casa.

Mais informações acerca do processo podem ser obtidas junto à Presidência da Comissão do Concurso, através do telefone (98) 98126 8276, no horário das 8h às 14h, de segunda a sexta-feira.

 

De O Estado...  

A Prefeitura de São Luís já aplicou pelo menos uma dose de vacina contra a Covid-19 em aproximadamente 60% da população adulta da cidade. A estimativa é da Secretaria Municipal de Saúde (Semus).

Segundo o titular da pasta, médico Joel Nunes Júnior, o chamado “público vacinável”, que compreende adultos a partir dos 18 anos, está estimado em 730 mil pessoas na capital maranhense.

Dados da Semus, apontavam que, até a noite de sexta-feira, 11, mais de 430 mil moradores da cidade já haviam tomado a primeira dose de algum imunizante.

A vacinação em São Luís ganhou novo ritmo ainda em maio, quando, por conta da identificação de membros da tripulação de navio chinês infectada com a cepa indiana da Covid-19, o Ministério da Saúde decidiu encaminhar um lote extra de doses da Covishield, a vacina da AstraZeneca, produzida no Brasil pela Findação Osvaldo Cruz (Fiuocruz). Na ocasião, a capital recebeu 210 mil novas doses – outras mais de 70 mil foram encaminhadas, ainda, aos demais municípios da Ilha (São José de Ribamar, Paço do Lumiar e Raposa).

No caso de São Luís, a nova leva de imunizates permitiu à gestão Eduardo Braide (Podemos) baixar muito a idade do publico a ser vacinado. Neste fim de semana, por exemplo, até domingo, 13, já serão vacinadas pessoas que têm de 34 a 30 anos, sendo duas faixas etárias por dia de acordo com o mês de nascimento.

No domingo, 13, também serão vacinadas gestantes e puérperas sem comorbidades a partir de 30 anos. A capital conta com nove pontos de vacinação, e todos estarão abertos no fim de semana. Além disso, também já está aberto o cadastro para quem tem a partir de 25 anos.

Blog do Diego Emir. 

O governador Flávio Dino (PCdoB), concedeu uma entrevista a Revista Fórum que ganhou pouca repercussão no Maranhão. Mas chama atenção o que o chefe do Palácio dos Leões falou sobre a sua sucessão. Ele elencou pré-requisitos que o pré-candidato deve ter para receber seu apoio na disputa em 2022.

“O critério principal da escolha do candidato que terá o meu apoio será aquele que tiver compromisso com a continuidade da experiência do nosso governo, não ter relação com o bolsonarismo […] finalmente a capacidade de unir o grupo […] assim como probidade, honestidade…”, afirmou Flávio Dino.

O governador anunciou que deixou para o fim do ano a definição de quem será o nome que vai concorrer ao seu cargo com o seu apoio.

Com a fala de Flávio Dino ele praticamente exclui Josimar de Maranhãozinho, Edivaldo Holanda Júnior e Weverton Rocha.